Por que precisamos falar de sustentabilidade na moda?

segunda-feira, janeiro 11, 2016


A resposta é simples: porque a moda e seus meios de produção vêm poluindo o mundo e matando pessoas diariamente. 

No entanto, essa resposta curta não tem sido o suficiente para levar as pessoas a pensar e agir sobre o assunto. Quando digo as pessoas, falo da massa, acostumada a pensar em moda como sinônimo de consumismo e tendência. Porém, já existem pessoinhas fazendo um trabalho de formiguinha para levar a real consciência de moda a todo o mundo (fico orgulhosa em fazer parte disso).

O fio da meada é: a moda faz parte da história da sociedade. Parece radical falar assim, mas, quando lembramos que o pessoal lá das cavernas vestia pele de outros animais para se proteger e, logo, encorporou isso como característica humana, já podemos falar de indumentária e moda como partes da construção da sociedade. Daí chegamos às transformações históricas, que obrigaram mulheres a vestir camadas de roupas ou a criar o jeans de guerra, por exemplo. Com essas questões, passamos a refletir sobre como a moda se tornou tão rápida, supérflua e, inegavelmente, poluente. 

A real é que, embora seja muito importante estudar história da moda e se aprofundar nos impactos sócio-ambientais causados pelos meios de produção de massa, não é preciso ser um especialista para saber que o comportamento da sociedade somado à atitude da industria têxtil têm tido somente resultados ruins. "Mas como se as grandes confecções são riquíssimas?" (como exemplo da Zara que, em 2015, teve seu dono considerado o homem mais rico do mundo). Para isso, outra resposta simples: riqueza não é sinônimo de qualidade, aliás, se formos analisar o que o fast fashion representa no que diz repeito a criações autênticas, qualidade de produção, materiais e mão de obra, teremos uma resposta ainda mais rápida: tudo não passa de ganância. Esse assunto ainda rende muito pano pra manga, mas aqui, um texto excelente, falando sobre o porquê do fast fashion não representar democratização - e qualidade - na moda.

O ponto principal é: se a moda gera tanto lixo, o que temos a ver com isso? 

A industria têxtil foi crescendo de acordo com a "necessidade" das pessoas de consumir roupas em maior quantidade e com mais rapidez. Essa necessidade não foi analisada, simplesmente porque a indústria começou a lucrar rios de dinheiro - e, por consequência, gerar empregos e movimentar milhões na economia. Tudo ficou mais ágil e, como análise do contraste entre épocas, temos a sociedade da década de 1960, que tinha mais de 50% da produção de roupas feita em casa ou em modistas (claro, que deve-se levar em conta o papel da mulher nessa época, que era responsável pela costura e pela casa) e a sociedade de hoje, cuja pouquíssimas famílias possuem uma máquina de costura, por exemplo. 

Essas transformações exacerbadas não geraram apenas mais roupas nos armários das pessoas, mas também mais lixo nos aterros, mais resíduos químicos nas águas e no solo e, claro, mais pessoas endividadas por consumir sem necessidade. Uma coisa levou a outra e hoje podemos ver os resultados negativos, muito além das vantagens, que são os empregos e os milhões movimentando a economia. Assistindo ao documentário The True Cost (tem no Netflix) é possível saber porque as coisas ruins se sobressaíram tão rapidamente às boas. 

Chegamos a um ponto em que as pessoas estão doentes por causa do consumismo e o planeta também está adoecendo por causa do lixo que o contamina. Então, tornar tudo sustentável outra vez é essencial. E, daí, ser sustentável e tornar a moda algo saudável tornou-se um trabalho social, onde cada um faz o seu máximo em prol do coletivo.

Se sustentar como alguém que consume moda conscientemente não é vantajoso apenas porque não haverá mais dívidas no cartão de crédito, mas também porque haverá mudança na forma de ver a moda, respeitar quem a faz e o modo como a faz. 

Portanto, sustentabilidade não é apenas mais uma palavra de ecochato, é uma necessidade social, ambiental e individual.

Para continuar pensando - e agindo - sobre isso, leituras interessantes, chocantes e muito valiosas:

Precisamos continuar o assunto e colocá-lo em prática. ;)

Você pode gostar também:

2 comentários

  1. Marina, muito bom seu texto :)
    sou suspeita comentar sobre, mas acredito que somos a semente, para a mudança♥

    ResponderExcluir
  2. Adorei teu texto! Acabei de assistir o documentário The True Cost por indicação sua e realmente é uma realidade bem triste que, nós como consumidores, somos completamente responsáveis. A partir de agora ficarei de olho na procedência das minhas roupas, não quero mais contribuir com isso.

    Beijos!

    ResponderExcluir

Você gostou? Então, comente!

Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *