5 Metas de Consumo para 2016

terça-feira, dezembro 22, 2015


Fiquei quase um mês sem passar por aqui (com saudades, claro) por falta absoluta de tempo, com trabalhos e provas da faculdade e jobs da empresa para finalizar. Agora, nos primeiros dias de férias, corri imediatamente pra cá, escrever no meu canto mais lindo. Peço desculpas às pessoas lindas e queridas que leem o blog e até comentaram a minha falta aqui, podem pedir o que quiserem, me esforçarei em escrever.

Então, nesse tempo de ausência no blog, algumas maravilhas para a moda upcycling e luta pelo consumo consciente aconteceram, tais como a linda da Dani K. e seu projeto de consumo "em uma mala" ganharam a merecida visibilidade, me senti muito bem representada e adorei que muitas pessoas viram o projeto e tiveram o primeiro contato com o conceito de moda consciente. Depois, o app do Roupa Livre finalmente vai virar realidade, a grana necessária foi arrecada e o projeto será um sucesso, não vejo a hora de usar.

Hoje, posso dizer que sou uma pessoa muito feliz com os meus hábitos de consumo - ou talvez de não consumo. Mas sempre que vejo alguém na aflição de comprar e comprar cada vez mais, meu lado missionária da moda quer intervir, haha. Em 2016 pretendo começar um série de posts falando sobre organização, que é sim o princípio de tudo, e talvez faça uns vídeos pra exemplificar melhor. Pra isso, aceito sugestões das lindas e lindos que já estão inciando uma nova vida com olhar menos consumista. 

Já que o ano está acabando e todo mundo, de certa forma, está fazendo sua listinha de planos, eu deixo aqui a minha lista de metas de consumo para 2016. Para todo mundo que deseja melhorar em 2016, também sugiro que a faça. Essas metas são simples, cabíveis, e devem exploram aquilo que está dentro da sua cultura e vivência, podem ser bem amplas e o objetivo principal é disseminar a ideia de consumo consciente.

Na moda,
Já disse que estou muito feliz com os meus hábitos relacionados à moda, mas ainda tem algo me incomodando bastante: minhas roupas de desapego não têm encontrado novas donas de imediato. Eu sei que vale investir tempo (coisa rara pra mim) indo às feirinhas, divulgando em grupos (inclusive criei o Roupateca Livre, entra aqui), e esse incomodo também está relacionado ao número bem limitado de pessoas que já estão adaptadas às trocas de roupas. Por isso, essa é a minha meta para a moda: trocar mais roupas e experiências. Fortalecer a divulgação das peças que estão no grupo e falar mais sobre o quanto é bom trocar e dar vida novas às peças.

Na casa,
Preciso estudar formas mais sustentáveis de tratar o lixo que produzimos. Particularmente, me sinto mal vendo que sacolas de lixo saem da minha  casa e nem sei qual será o destino daquilo. Inclusive, quem tiver links interessantes sobre isso, me manda nos comentários, por favor.

Na leitura,
Há uns anos deixei de ser frustada por não concluir minhas metas literárias. Substitui aquela loucura de ler insanamente por hábitos cabíveis na minha vida de universitária, afinal, quem faz faculdade sabe que não é fácil conciliar a leitura de fruição com a de estudo. Então, em 2015 sugeri a mim mesma que devesse ler um título por mês, inicialmente fiquei triste em saber que, por ano, leria apenas 12 obras, mas é bastante se tratando do tempo que tenho que dividir com todos os outros livros da faculdade, por exemplo. Essa meta vou manter assim, tentando sempre aproveitar ao máximo as leituras. Se tratando do consumo de livros, os exemplares que tenho estão todos disponíveis para empréstimo e, além disso, a biblioteca municipal de Joinville terá que me aturar, pois adoro aquele lugar e, assim como as roupas, os livros também merecem experiências novas

Na alimentação,
Em meados de 2015, falei aprofundadamente sobre a minha alimentação, com a minha amiga Mariana Machado, nutricionista. Eu trabalho e tenho duas opções: almoçar em restaurante ou preparar minha própria comida. Sempre senti muito desconforto em comer algo sem conhecer o preparo, daí comecei a fazer minha marmitinha todos os dias e, além de ganhar peso (uma luta eterna), comecei e me sentir melhor. Em 2016, quero melhorar a minha relação com os alimentos escolhidos pras refeições, ou seja: escolher melhor e aprender preparos mais práticos e também saudáveis.

Na vida,
O consumo é uma coisa recorrente na vida de todos, mas hoje, mesmo em meio as tantas coisas praticamente necessárias no cotidiano, temos a opção de não consumir. Fico feliz em ter uma vida mais leve e deixar de consumir tantas coisas supérfluas, mas ainda há um caminho longo para percorrer até chegar ao ideal. A melhoria é contínua e o nosso querido planeta agradece.  

Resumindo, minha listinha de metas de consumo ficou assim:
- Disseminar ainda mais a moda upcycling;
- Produzir menos lixo;
- Ler mais e melhor, emprestando livros;
- Melhorar hábitos alimentares;
- Avaliar sempre a necessidade de consumir. 

A intenção é que durante o ano eu continue falando sobre isso e, como já disse, incentive quem está ao meu redor a consumir melhor e com consciência. As migs desafiadas são: Daniela Kopsch, Babis Sathler, Gardenya Barbosa, Bruna Venâncio e Jiglay.

Você pode gostar também:

1 comentários

  1. Oi Marina,
    Encontrei seu blog por aí e me identifiquei bastante com a sua maneira de pensar. Também ando em uma busca menos consumista em todos os setores da vida, não só no quesito guarda roupa. Assim como você também tenho pesquisado muito sobre maneiras alternativas de como produzir menos lixo, e nessas andanças pela internet me deparei com Bea Johnson, autora do livro Zero Waste Home (http://www.zerowastehome.com/). A história dela é super bacana e ela tem milhares de dicas legais. Claro, que muita coisa precisamos transformar e aplicá-la ao nosso cotidiano, mas já vale como mega inspiração!
    Espero que tenha ajudado!
    Um abraço e sucesso!

    ResponderExcluir

Você gostou? Então, comente!

Contato

Nome

E-mail *

Mensagem *